Salvador é um dos destaques da região Nordeste, com o 8º lugar, na primeira edição do Ranking de Competitividade dos Municípios, premiação realizada pelo Centro de Liderança Pública (CLP) que foi divulgada nesta quinta-feira, 19. O ranking avalia a capacidade competitiva das 405 cidades com mais de 80 mil habitantes do país. Salvador ocupa a colocação de número 95 no âmbito nacional.

Apesar do resultado da capital, quatro cidades do estado estão entre as menos competitivas do Nordeste e apresentam desafios sociais e econômicos a serem superados. Das 88 cidades nordestinas avaliadas pelo CLP, Simões Filho ocupa a posição de número 86 (393 no ranking nacional), acompanhada por municípios como Serrinha, na posição 79 (378), Alagoinhas, 76 (371), Dias D’Ávila, 68 (352).

Os municípios foram avaliados com base em 55 indicadores, distribuídos em 12 pilares temáticos da gestão pública: Sustentabilidade Fiscal, Funcionamento da Máquina Pública, Acesso à Saúde, Qualidade da Saúde, Acesso à Educação, Qualidade da Educação, Segurança, Saneamento e Meio Ambiente, Inserção Econômica, Inovação e Dinamismo Econômico, Capital Humano e Telecomunicações.

O coordenador do CLP, Lucas Cepeda, afirma que o ranking tem o objetivo de servir como ferramenta de auxílio aos gestores municipais, a exemplo dos prefeitos e vereadores escolhidos nas eleições do último dia 15.

“A ideia é propor uma agenda positiva, algo que possa auxiliar no processo de visualização das áreas prioritárias nos municípios, realizado pelos gestores. E o ranking ressalta desafios históricos de regiões como o Nordeste, a exemplo das desigualdades sociais. Através do uso de dados públicos que fazem parte do sistema de transparência, o estudo contribui para a formação e trabalho dos gestores”, explica Cepeda.

Desafios

Os municípios de Dias D’Ávila, na posição 401, e Simões Filho, 403, figuram entre os cinco últimos colocados no ranking nacional da categoria Capital Humano, que avalia a qualificação da mão de obra da população. Neste indicador estão considerados aspectos como a taxa bruta de matrícula no ensino superior e em qualificação dos trabalhadores em emprego formal.

A prefeitura de Simões Filho, em nota, afirma que desde que assumiu a máquina pública, em 2017, a atual administração tem ações que visam à promoção do conhecimento e à capacitação da mão de obra local, por meio de programas e parcerias. “Entre os programas realizados estão o Capacita Boa Gente, com a reabertura do Senai, com oferta de cursos. Além disso, os Micro e Pequenos Empreendedores contam com orientações técnicas, incentivo e intermédio à linha de crédito e oficinas em parceria com o Sebrae”, diz o texto.

De acordo com o CLP, apesar de as taxas de matrícula no ensino técnico e profissionalizante serem menos desfavoráveis nessas cidades, o desempenho alcançado é insuficiente para compensar os demais indicadores analisados. Procurada por A TARDE, até o fechamento da matéria, a prefeitura de Dias D’Ávila não comentou a posição da cidade no Ranking de Competitividade dos Municípios.

A cidade de Alagoinhas, na colocação 400, está entre as cinco últimas colocadas no ranking nacional da categoria Segurança, que avalia a condição da segurança pública para a vida a boa qualidade de vida do cidadão e consequente avanço econômico local. A categoria está balizada em indicadores como as mortes violentas intencionais, mortalidade de jovens por razão da falta de segurança.

Em nota, a prefeitura de Alagoinhas afirma que “foi inaugurada, em julho deste ano, a Central de Videomonitoramento de Alagoinhas, que visa não só apoiar o combate ao crime de forma integrada e organizada, ou inibir as ações ilícitas, mas também agir de forma preventiva. Pioneira na Bahia, desde de 2017, Alagoinhas conta com a Patrulha Maria da Penha, um serviço instituído para garantir o cumprimento de medidas protetivas e reprimir eventuais atos de violência contra a mulher”.

Na dimensão econômica, o município de Serrinha ocupa as cinco últimas colocações no ranking nacional de competitividade. Na categoria Economia, está na posição 404, na Inserção Econômica, ocupa o lugar 403, nas Telecomunicações, a colocação é a 401. De acordo com o CLP, a inserção econômica está relacionada com a vulnerabilidade socioeconômica e a sua inclusão produtiva no mercado de trabalho formal, ao tempo que as Telecomunicações avaliam a infraestrutura relacionadas com as tecnologias comunicacionais.

Sobre os resultados, em nota, a prefeitura de Serrinha afirma que a cidade passa pelo processo de avanço da sua economia, em especial nos últimos três anos e 11 meses de gestão.

“A prefeitura de Serrinha reviveu o São João, que atraiu milhares de visitantes e movimentou milhões de reais na economia, gerando emprego e renda de forma direta e indireta. Serrinha foi a cidade da região sisaleira que mais investiu em cursos de qualificação profissional através do Senai. Criamos a Sala do Empreendedor, fornecemos e fomentamos ao microempreendedor individual cursos de qualificação e gestão de empresas, em parcerias com o Sebrae”, acrescenta a nota.

Com relação ao lugar ocupado no ranking Telecomunicações, ainda em nota, a prefeitura afirma ter quatro empresas com internet de fibra ótica atuando no município, com o acesso da rede internet chegando a áreas da zona rural.

Panorama

O diretor da União dos Municípios da Bahia (UPB), José Roberto Neves, afirma que o momento de pandemia trouxe ainda mais desafios para os gestores municipais. E com a passagem de mandato aos novos prefeitos, o momento é de integração para a redução dos danos econômicos que serão enfrentados pelas cidades baianas, em especial as pequenas.

“Os prefeitos vão administrar municípios que ainda sofrem com a pandemia, precisando cumprir promessas, como a de geração de emprego e renda. É necessário muita habilidade para garantir que as políticas públicas sejam cumpridas; 2021 ainda será um ano de desafios. É preciso união, equilíbrio e raciocínio com a gestão fiscal”, diz Neves.

*A Tarde

Comente Você Também!

comentários